Tradução

domingo, 5 de junho de 2011

Encontro: Jorge e Lorca

Desenho de Lorca
                 

Jorge Bichuetti

LORCA
                           Jorge Bichuetti

menino nasceste
menino na vida
menino morreste
                        guerreiro
                         seresteiro
                          poeta e
            vida
          sonhos
na madrugada a lua corteja teus versos
                     rua
                   verde
                  deserto
entre pedras as flores dos teus versos
                                 barco
                                       na montanha
                                             encantou
                                                          o céu... estrela
                                                                              da rua
                                                                               agora
                                                                                deus
                                                                                 lua
                                                              que baila, e baila, e baila...
García Lorca jovem lendo com menina em Fuente Vaqueros
Federico Garcia Lorca aos 19 anos

sábado, 4 de junho de 2011

A vida é sonho

O aniversário de Lorca não é hoje, é amanhã (05 de junho). VAI TER FESTA TROPICAL-ANDALUZA AQUI. 

Isso nos dá mais tempo para trazer mais Lorca. É muita coisa para contar, mostrar, recitar, cantar, dançar, inventar. A prova dos nove de que Lorca não está morto. Está bem vivinho pois a vida é sonho.

La vida es sueno ( clique e leia na íntegra em espanhol)  é uma peça de Calderon de la Barca, século XVII, encenada mundo afora até hoje. Garcia Lorca dirigiu e atuou nessa peça com o grupo La Barraca (clique e saiba mais sobre esse grupo que influenciou o teatro estudantil, inclusive no Brasil). No vídeo abaixo, cenas da montagem da peça, encenada em várias cidades e zona rural da Espanha.


A VIDA É SONHO

Calderon de La Barca

É certo; então reprimamos
esta fera condição,
esta fúria, esta ambição,
pois pode ser que sonhemos;
e o faremos, pois estamos
em mundo tão singular
que o viver é só sonhar
e a vida ao fim nos imponha
que o homem que vive, sonha
o que é, até despertar.
Sonha o rei que é rei, e segue
com esse engano mandando,
resolvendo e governando.
E os aplausos que recebe,
Vazios, no vento escreve;
e em cinzas a sua sorte
a morte talha de um corte.
E há quem queira reinar
vendo que há de despertar
no negro sonho da morte?
Sonha o rico sua riqueza
que trabalhos lhe oferece;
sonha o pobre que padece
sua miséria e pobreza;
sonha o que o triunfo preza,
sonha o que luta e pretende,
sonha o que agrava e ofende
e no mundo, em conclusão,
todos sonham o que são,
no entanto ninguém entende.
Eu sonho que estou aqui
de correntes carregado
e sonhei que em outro estado
mais lisonjeiro me vi.
Que é a vida? Um frenesi.
Que é a vida? Uma ilusão,
uma sombra, uma ficção;
o maior bem é tristonho,
porque toda a vida é sonho
e os sonhos, sonhos são.

Jorge, Maud, amigos do nosso blog: vamos festejar o nascimento de Lorca

Jorge Bichuetti, querido amigo, não apenas meu, de muitos e muitas, escreveu belo e esclarecedor artigo hoje no blog Utopia Ativa: Devir guerreiro, devir anjo. Recomendo a visita, o contato, o contágio.

Jorge querido, prepare e nos sirva o petisco de cajamanga-manga-goiaba. Mais tarde vou postar aqui o Bolo Andaluz. Vamos festejar o nascimento de Lorca.

Não é fanatismo, é amor. Amor por Lorca, amor pela Espanha, amor pela Europa, amor pela poesia, amor pela vida. Amor por nós todos, humanos demasiadamente humanos ou além-humanos.

Vou voltar para a cama. Estou muito cansada hoje. Mais tarde voltarei.  Quero também escrever para a Maud "l´ecran et les livres".  Enfim, estou cansada mas não desanimada. A vida é bela e a internet é muito mais que uma tela.



Poema V
Hilda Hilst
 

A Federico García Lorca 



Companheiro, morto desassombrado, rosácea ensolarada
quem senão eu, te cantará primeiro. Quem senão eu
pontilhada de chagas, eu que tanto te amei, eu
que bebi na tua boca a fúria de umas águas
eu, que mastiguei tuas conquistas e que depois chorei
porque dizias: “amor de mis entrañas, viva muerte”.
Ah! Se soubesses como ficou difícil a Poesia.
Triste garganta o nosso tempo, TRISTE TRISTE.
E mais um tempo, nem será lícito ao poeta ter memória
e cantar de repente: “os arados van e vên
dende a Santiago a Belén”.



Os cardos, companheiro, a aspereza, o luto
a tua morte outra vez, a nossa morte, assim o mundo:
deglutindo a palavra cada vez e cada vez mais fundo.
Que dor de te saber tão morto. Alguns dirão:
Mas se está vivo, não vês? Está vivo! Se todos o celebram
Se tu cantas! ESTÁS MORTO. Sabes por quê?


“El passado se pone
su coraza de hierro
y tapa sus oídos
con algodón del viento.
Nunca podrá arrancársele
un secreto.”



E o futuro é de sangue, de aço, de vaidade. E vermelhos
azuis, braços e amarelos hão de gritar: morte aos poetas!
Morte a todos aqueles de lúcidas artérias, tatuados
de infância, de plexo aberto, exposto aos lobos. Irmão.
Companheiro. Que dor de te saber tão morto.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Bonjour Marta !
Je n'ai pas disparu, et je ne t'ai pas oubliée, ni le blog !!
Je passe beaucoup de temps à lire, à profiter du soleil parisien, on dit que c'est le printemps le plus chaud depuis 1900 ! Il est vrai donc que je passe le moins de temps possible devant un écran dès que je ne travaille pas !!
Voici une petite liste de mes lectures printanières...
Je t'embrasse Marta, et à défaut de contribuer au blog, je continue de le lire !!

Lionel Salaun,
Le retour de Jim Lamar, Liana Levi, 2010
Un gamin voit sa vie rurale circonscrite au Missouri bouleversée par le retour d'un véteran du Vietnam. Premier roman écrit par un Français qui a réussi à faire un véritable roman d'apprentissage américain.
Josep Pla, Pain et raisin, Autrement, 2010 (collection Tinta Blava)
Le récit probablement autobiographique d'un jeune écrivain catalan qui se lie d'amitié avec un contrebandier de la côte , en pleine guerre rivale. Les descriptions de paysage sont magnifiques, et le récit épouse un rythme tout méditerranéen ...
Katrina Kalda, Un roman estonien, Gallimard, 2010
Un héros de roman-feuilleton retrace la vie de son timide feuilletonniste... pas banal, voici un très bon premier roman estonien écrit en français.
Extrait "Il fut mortifié, lui qui se sentait dans la vie comme un homme entré par effraction dans un théâtre et qui, pourtant installé dans un fauteuil, ne parvient pas à suivre le spectacle, parce qu'il s'attend à voir apparaître à tout moment le détenteur de la place qu'il a usurpée"
Yannick Lahens, Failles, Sabine Wespieser, 2010
Très pudique témoignage liitéraire sur le séisme du 12 janvier 2010 en Haïti.
Un tour de force émotionnel de l'auteure du très beau "La couleur de l'aube" paru en 2008 chez le même éditeur.
Gaelle Bantegnie, France 80, Gallimard, 2010 (L'arbalète)
Un peu à la manière de Pérec dans les choses, la chronique de la France pavillonnaire des années 80, où l'on suit Claire, une adolescente bien décidée à fuir la banalité de cette vie... fidèle à l'époque et condensé à souhait sous la forme d'un journal.
Yûko Tsushima, L'enfant de fortune, Edition des femmes, 1985 (1ere édition 1978)
Une femme atteinte de grossesse nerveuse... magnétique
Hubert Haddad, Palestine, Zulma, 2007
Dans un style d'orfèvre, l'histoire d'un soldat israëlien qui change d'identité, tombe amoureux, devient terroriste
Hector Abad Faciolince, Traité culinaire à l'usage des femmes tristes, Jean-Claude Lattès, 2010
A la manière d'Ovide, un art d'aimer et de s'accepter pour vivre heureuse.
Henri Calet, Le tout sur le tout, Gallimard, 1958 (L'imaginaire)
Naissance et avènement d'un flambeur
Claudia Pineiro, Elena et le roi détrôné, Actes Sud, 2011
Description précise et impitoyable du quotidien d'une femme atteinte de la maladie de Parkinson, qui cherche à étudier le mystère du suicide de sa fille, on se laisse emmener par cette énigme...
Maylis de Kerangal, Corniche Kennedy, Verticales, 2008
Belle écriture tout en finesse pour ce roman social marseillais, une jeunesse attachante...
Yu Hua, La Chine en dix mots, Actes Sud, 2010
Partant du quotidien actuel pour en comprendre les causes, l'auteur revient sur la Révolution culturelle dans une très belle langue; de très intéressantes explications sur les glissements sémantiques qui ont eu lieu depuis 40 ans.
Silvia Avallone, D'acier, Liana Levi, 2011
L'ambiance est un peu semblable à celle de Corniche Kennedy.
une très belle histoire de forte amitié féminine pour affronter leurs "babouins"de père et la crudité du monde des barres d'immeubles de Piombino (Toscane) où tous travaillent à l'aciérie , ou font des conneries. Belle réussite de roman social et d'histoire d'amitié. Un "livre qu'on ne lâche pas".
Aurélie Filipetti, Les derniers jours de la classe ouvrière, Stock, 2003
Le destin des immigrés italiens d'Audun-le-Tiche (Lorraine) travaillant dans les usines de de Wendel, et de leurs descendants.
Chi Li, Le show de la vie, Actes Sud, 2011
Rue du Bon-Augure, les manigances familiales de Célébrité, la plus belle vendeuse de cous de canards nocturne ! une bonne chronique de rue chinoise
Bulbul Sharma, Mes sacrées tantes, Picquier, 2007
Recueil de nouvelles mettant en scène des femmes traditionnelles et de jeunes mariées
Sarcastique
Maylis de Kerangal, Naissance d'un pont, Verticales, 2010
La mondialisation au prisme d'un chantier de pont dans une ville américaine. Un art magistral de la description.
Dany Laferrière, Tout bouge autour de moi, Grasset, 2011
Journal de l'auteur présent en Haïti pour Etonnants Voyageurs en janvier 2010
"Ce pays a besoin d'énergie et non de larmes"
Iegor Gran, L'écologie en bas de chez moi, P.O.L, 2011
Autofiction dénonçant la mode de l'écologie à tout crin, déclenchée par une brouille amicale suscitée par la propagande autour du film Home massivement diffusée dans le monde entier... l'écologisme comme négation de la culture.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Arbolé



"Arbolé, arbolé
seco y verdé."
FGL 

Maud, òu est tu?

Maud, ma chèrie, où est tu?  Je ne sais pas, mais je peux imaginer: les danses, les amis, le copain, les flirts, les livres, les chamins, la liberté, l´eté à Paris, le travail et plus. Je comprend, mais ne me laisse pas toute seule. Bisousssssssssssssssssss.

Crenças lorquianas

O sol, o sal
Creio nas laranjas que colorem as ruas de Córdoba. Creio na Serra Nevada que não cessa de escorrer. Creio no Generalife de Granada. Creio na leitura das mãos das ciganas de Cadiz. Creio no sol que bate no saleiro que bate no meus olhos. Olhos que creem no sal. E no sal no sol,  Manuel de Falla toca serenata com Lorca para as crianças de Las Alpujarras. Até que alguém diz "me passa o sal", e eu entendo, "me passa o sol".
  

Pequena homenagem - Domitila do Amaral - Foi-se embora



Foi-se embora
                                                                  Marta Rezende

De negro, discreta, elegante,
Descia a rua das Flores.
Subia com copos de leite nas mãos.

Mãos de Domitila,  
Domitila do Amaral.
Tranformou ruína em mansão.

Voz de Domitila,
Domitila do Amaral.
Cantou Lorca na Casa da Ópera.

Corpo de Domitila,
Domitila do Amaral.
Trouxe a arte nas entranhas. 

Alma de Domitila,
Domitila do Amaral.
Desenhou mandalas e contou mitos.

Pés de Domitila,
Domitila do Amaral.
Foi-se embora da cidade e nunca mais voltou.

Memória de Domitila,
Domitila do Amaral.
Recebeu estranha ingratidão.

Vida de Domitila,
Domitila do Amaral.
Foi-se embora e nunca mais voltará.

De negro, discreta, elegante,
Descia a rua das Flores.
Subia com copos de leite nas mãos.

Ilustração: Sombras e outras luzes - Alexandre Martins

Lorquiana da mulher dos girassóis

Celina Dutra homenageia Lorca no blog Colheita de Girassóis. Queria copiar-colar, não consegui. Vai o link aqui


E vai  um dos lindos poemas que ela escolheu. Gosto muito, "caçar suspiros"...


As seis cordas
Federico Garcia Lorca

A guitarra
faz soluçar os sonhos.
O soluço das almas
perdidas
foge por sua boca
redonda.
E, assim como a tarântula,
tece uma grande estrela
para caçar suspiros
que bóiam no seu negro
abismo de madeira.
Celina, pra você, mais guitarra de Lorca, linda música:

Lorquear louquear - São Jorge Bichuetti




LORCA-AMOR
                                          Jorge Bichuetti

Onde encontro
Lorca vive:
poesiae luar...

Onde vago
Lorca sonha:
magias do amar...

No caminho
andarilho caça:
um voo surreal
sonâmbulo cio
brilho estelar...

Entre loucos,
lorquear
louquear
lo-que-ar...

No que há,
encantar-se...


Elisa

"E, sobre a cor cinza, acho que, fora da arte, tentamos fugir dela o quanto possível, como do simples alarme de algo ameaçador que espreitasse das atmosféras turvas. Mergulhamos a mão no que é verde, azul,vermelho e até roxo na esperança de novas sensações, mas o cinza tem qq coisa de antigo e tardio, que nos detém em nós mesmos." Elisa

A Elisa está nos seguindo. Seja bem vinda.  Foi no Blog do Emir que nos conhecemos. Ela gostou de algo que escreví lá, mas não gostou da minha elegia ao cinza aqui. Pois é Elisa, o cinza é triste "Turbou, partiu, ardeu", Manuel Bandeira. Mas é também resistência,   "Cinza das horas",  resistência à tuberculose.  E há também uma calmaria no cinza, como nesses dias São Paulo fria e cinza.  Nuvens de algodão no céu e eu voando... Fico numa certa paz no espaço de dentro. "Avultam do clarão que cinge a serrania/ Como se houvesse aurora e o mar cantando atrás."  É Bandeira, parnasiano, mas Bandeira. Há tanto cinza nas artes, o cinema de Wim Wenders, por exemplo.  Tarkovsky, então, é o gênio do gris.
Elisa, estamos fazendo uma homenagem à Garcia Lorca, um poeta colorido certamente, mas na sua paleta há um bocado de variações da combinação de preto e branco.

beijo  
Marta

E por falar no cinza de todas as cores, Maria Blanchard


" Querida María Blanchard: dos puntos... dos puntos, un mundo, la almohada oscurísima donde descansa tu cabeza...
   La lucha del ángel y el demonio estaba expresada de manera matemática en tu cuerpo.
   Si los niños te vieran de espaldas exclamarían: "¡la bruja, ahí va la bruja!". Si un muchacho ve tu cabeza asomada sola en una de esas diminutas ventanas de Castilla exclamaría: "¡el hada, mirad el hada!". Bruja y hada, fuiste ejemplo respetable del llanto y claridad espiritual. Todos te elogian ahora, elogian tu obra los críticos y tu vida tus amigos. Yo quiero ser galante contigo en el doble sentido de hombre y de poeta, y quisiera decir en esta pequeña elegía, algo muy antiguo, algo, como la palabra serenata, aunque naturalmente sin ironía, ni esa frase que usan los falsos nuevos de "estar de vuelta". No. Con toda sinceridad. Te he llamado jorobada constantemente y no he dicho nada de tus hermosos ojos, que se llenaban de lágrimas, con el mismo ritmo que sube el mercurio por el termómetro, ni he hablado de tus manos magistrales. Pero hablo de tu cabellera y la elogio, y digo aquí que tenías una mata de pelo tan generosa y tan bella que quería cubrir tu cuerpo, como la palmera cubrió al niño que tú amabas en la huída a Egipto. Porque eras jorobada, ¿y qué? Los hombres entienden poco las cosas y yo te digo, María Blanchard, como amigo de tu sombra, que tú tenías la mata de pelo más hermosa que ha habido en España."

Federico Garcia Lorca - Elegia a Maria Blanchard


quarta-feira, 1 de junho de 2011

PALETA


Na minha paleta há 16 tons de cinza obtidos de 256 cores primárias. Neste inverno vou pintar e bordar com o cinza. Cinza que te quero cinza de todas as cores. 

Não faltam mestres do cinza, a começar pelo próprio Juan Gris, Francis Bacon, Picasso, Paul Klee, Monet, Goya, tantos mais.

Por que essa bronca contra o cinza?




"O iniciado pressente o ponto original da vida: ele possui um pequeno número de átomos viventes sob forma de conceitos que tornam possível o ato da criação; ele conhece um pequeno ponto cinza que permite fazer o salto do caos à ordem.”
Paul Klee


"Não há potência má, há poderes perversos."
Gilles Deleuze

terça-feira, 31 de maio de 2011

Aurora de Nova York - lorquiana de Marta Rezende

A aurora de Nova York geme. 1930. Choro por Lorca e sua tristeza Dali. 2010. Tento esquecer meu amor de lá. Momentos das coisas secas.  Amores desfolhados em plenas crises. Não há angústia comparável.

Lorca - poemas para niños - Canción tonta



YERMAS   
Marta Rezende
para a atriz
 Domitila do Amaral
(in memorian)
Embarazadas de Lorca, 
 bajo la luna
parimos
poemas para niños
almohadas bordadas.



Ian Gibson, biógrafo de Lorca

" Mataram Lorca pelo prazer de matar... "

 






Canções populares de Lorca - La tarara


LA TARARA

La Tarara, sí;
la tarara, no;
la Tarara, niña,
que la he visto yo.

Lleva la Tarara
un vestido verde
lleno de volantes
y de cascabeles.

La Tarara, sí;
la tarara, no;
la Tarara, niña,
que la he visto yo.

Luce mi Tarara
su cola de seda
sobre las retamas
y la hierbabuena.

Ay, Tarara loca.
Mueve, la cintura
para los muchachos
de las aceitunas.


Cantares populares de Garcia Lorca - Los cuatro muleros

Los cuatro muleros

1

De los cuatro muleros
que van al campo,
el de la mula torda,
moreno y alto.

2

De los cuatro muleros
que van al agua,
el de la mula torda
me roba el alma.

3

De los cuatro muleros
que van al río,
el de la mula torda
es mi marío.

4

¿A qué buscas la lumbre
la calle arriba,
si de tu cara sale
la brasa viva?


Lorquianas de Jorge Bichuetti



CÍRCULO VITAL
                                                        Jorge Bichuetti

Um cavalo anda-luz
martela o horizonte
e cava no chão nu
a cova onde brotará
da semente a flor-de-lis...

Um poeta e u'a flor
solfejam na alvorada
o verso que era luar
e que na ode solar
será a cantiga do dia...

Noite e dia - a vida
roda na ciranda
da poesia. Floresce
novas belas paisagens
no cavalgar da alegria...



HAIKAIS
                                           
 LUARES LORQUIANOS
                                                                       Jorge Bichuetti

Lorca sussurrava
nas linhas da vida nascente:
ecos do porvir...
***
nas noites de luar,
entre sombras estelares:
voa um devir Lorca...


Tributo de Lorca a Santiago - Tributo de Santiago a Lorca


Madrigal á cibdá de Santiago

Chove en Santiago
meu doce amor.
Camelia branca do ar
brila entebrecida ô sol.

Chove en Santiago
na noite escrura.
Herbas de prata e de sono
cobren a valeira lúa.

Olla a choiva pola rúa,
laio de pedra e cristal.
Olla o vento esvaído
soma e cinza do teu mar.

Soma e cinza do teu mar
Santiago, lonxe do sol.
Agoa da mañán anterga
trema no meu corazón.


segunda-feira, 30 de maio de 2011

Bodas de Sangre


Para ler Bodas de sangre, na íntegra, em espanhol, clique aqui:

Cenas de Bodas de Sangre, filme de Carlos Saura,
baseado na peça de Lorca,  
com Antonio Gades e Cristina Arroyos



Lorca e Bodas de Sangre
Bodas de sangre, fue escrita a partir de un hecho policial real: una novia se fugó con un hombre el día de su boda, y para vengar su honor, el novio asesinó al amante. Claramente puede apreciarse que la temática de la obra girará acerca del honor, la venganza y también la pasión. La “sangre” del título alude a distintos motivos: la sangre es la propia familia, la sangre es el ardor pasional imposible de refrenar, la sangre también es la muerte y la violencia.
Lola Membrives e Lorca na centésima apresentação de Bodas de Sangue - Buenos Aires
1933
8 de março – Estréia Bodas de Sangre, no Teatro Beatriz, de Madri, com Josefina Diaz de Artigas

5 de julho – Lola Membrives estreou Bodas de Sangre em Buenos Aires, repetindo o sucesso alcançado em Madri, em março do mesmo ano; após uma turnê por algumas cidades argentinas, voltou ao cartaz no Teatro Avenida
29 de setembro – Parte no navio Conte Grande para a Argentina, onde Bodas de Sangre estava fazendo muito sucesso
9 de outubro – O navio aporta no Rio de Janeiro; aguarda-o o escritor e embaixador mexicano no Brasil, Alfonso Reyes, que conhecera em Madri e que lhe oferta os primeiros exemplares de Oda a Walt Whitman, que conseguira imprimir no México
11 de outubro – Aportou em Santos por algumas horas
13 de outubro – Chega a Buenos Aires – conhece Pablo Neruda e tornam-se grandes amigos; tinham em comum a admiração pelo poeta nicaragüense Rubén Darío


1934
30 de janeiro – Chega a Montevidéu, onde fica até 16 de fevereiro, quando retorna a Buenos Aires
27 de março – Parte para a Espanha no navio Conte Biancamano
30 de março – Aporta novamente no Rio de Janeiro, encontra-se de novo com Alfonso Reyes, que desta vez lhe presenteia com uma caixa incrustada com borboletas
11 de abril – Chega a Barcelona e vai direto para Madri.



Bodas de Sangre
gravura Gregório Gruber




Lorca - Romance Sonâmbulo



"Mas quem virá? E por onde?...
Ela fica na varanda,
verde carne, tranças verdes,
ela sonha na água amarga."


Federico Garcia Lorca
Romance Sonâmbulo






 

Jorge Bichuetti: para Lorca e lorquianos





POEMA PELA LIBERDADE
                                                                         
Jorge Bichuetti 

                                                         ( para Lorca e lorquianos.)



Verde que te quero rosa que te quero azul
                                     que te quero negro
                                                         branco
                                                         amarelo
                 vermelho
              belo e Lorca
              beco e Lorca
                                 um luar surreal
                                 uma carícia sensual
                                 uma poesia plural
para que a vida
não mais seja
                   metralhada
                                 na paulicéia
                                 na galiza no quintal
                                 na espanha solar
na porta
na praça
          na rua
          na lua
na vida nua dos sonhadores...

Verde que te quero Lorca
na Porta do Sol
                   um deus
onde anjos cantarolam
a  liberdade civil
corpos andarilhos
céu e estrelas 
                      flores corporais
                                            gritam
                                            gritam:
agora já é
um lorquiano
                   devir
                       porvir
                           bem-te-vi....


domingo, 29 de maio de 2011

LORCA E DALÍ

Ode à Salvador Dalí 

 Frederico Garcia Lorca


Oh! Salvador Dalí, de voz azeitonada!
Digo o que me dizem a tua pessoa e teus quadros.
Não te louvo o imperfeito pincel adolescente,
mas canto a firme direção das tuas flechas.

Canto teu belo esforço pelas luzes catalãs,
teu amor ao que tem explicação possível.
Canto teu coração astronômico e terno,
de baralha francesa e sem nenhuma ferida.

Canto a ânsia de estátua que seus personagens sem trégua,
o medo à emoção que te aguarda na rua.
Canto a sereiazinha do mar que te canta
montada na bicicleta de corais e conchas.

Mas antes de tudo canto um comum pensamento
que nos une nas horas escuras e douradas.
Não a Arte a luz que nos cega os olhos.
É primeiro o amor, a amizade e a esgrima.

É primeiro o quadro que paciente desenhas
o seio de Tereza, a de cútis insone,
o apertado cacho de Matilde, a ingrata,
nossa amizade pintada como um jogo de oca.

Sinais datilográficos de sangue sobre o ouro
risquem o coração da Catalunha eterna.
Estrelas como punhos sem falcão te relumbram,
enquanto tua pintura e tua vida florescem.

Não olhes a clepsidra com asas membranosas,
nem a dura gadanha das alegorias.
Veste e desnuda sempre o teu pincel no ar,
ante o mar povoado com barcos e marinheiros.

Lorca I


"La luna en el mar riela,
en la lona gime el viento
y alza en blando movimiento
olas de plata y azul"
Federico Garcia Lorca
Luz y panorama de los insectos
Poema de amor





"Cuida tus pies, amor mío, ¡tus manos!,
ya que yo tengo que entregar mi rostro,
mi rostro, ¡mi rostro!, ¡ay, mi comido rostro!"

Lorca com cajamanga - receita do Jorge Bichuetti

Marta, faço um tira-gosto de manga, cajamanga e goiaba ( verdolentos) com sal, pimnenta verde e do reino... Que delícia! Vamos fazer... abraços com carinho, Jorge

Jorge CAJAMANGA é a fruta mais deliciosa do mundo!!!!!!!!!!!!!! E como eu já derrubei cajamanga!!!!!!!!!!

Tô lançando uma idéia Jorge, pro Utopia Ativa e todos os amigos poetas não poetas todos que quiserem participar de uma homenagem a Lorca. vamos começar. tô começando. pode ser destacando poemas ou trechos de poemas, criando poemas para lorca, fotos desenhos tudo sobre Lorca. começa hoje e vai até o aniversário (dia 04 de junho)  e termina com seu drinque de  manga cajamanga e goiaba. com bolo!!!!!!!!!!!!!ok? topa? 

Beijos

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...
Marta, como é bom o dulcificado na ternura sem perder o sal e a pimenta, não amiga?
Abraços e um domingo cheio de alegrias; jorge

Marta disse...

Jorge querido, meu apelido de menina, dado pela minha mãe: PIMENTINHA.
E muitas vezes meu pai gargalhava quando alguém dizia  com muita ênfase PAZ ou HARMONIA. 
Sabedorias sertanejas do DEVIR VEGETAL E DO DEVIR ANIMAL.
Bom dia pra vc, Jorge, e pra Lua e pras rosas e pros álamos.

Gosto

Gosto de doce, mas gosto sobretudo de doce acompanhado do amargo. Café sem açucar com bolo. Chocolate meio amargo. Coisas assim que moderam a doçura. E muitas vezes gosto mesmo do puro amargo.

Gostoso dar uma saída, navegar em outros mundos. Fui jantar na casa de um amigo que fazia aniversário. Havia uma doçura excessiva pro meu gosto nos papos correntes: uma clamação pelo humanismo, o doce mais doce que a batata doce.  Gosto não se discute...  Fiquei ouvindo e bebendo uma deliciosa cerveja amarga. Não esperei o bolo.

sábado, 28 de maio de 2011

As pedras no caminho

Planejei um dia com Simone de Beauvoir. Velhice. Não tem nas livrarias. Esgotado. No problem. Aliás, melhor, menos gastos. Afinal, tenho tantos livros, dá para passar uma vida inteira só lendo. E na internet têm tantos outros mais, free. Comecei a tarde com um velhinho maravilhoso: Gaston Bachelard: A terra e os devaneios do repouso. Dá-lhe pedra. Quanto poesia há na pedra. Atração pela pedra na misteriosa Terra. Outros velhinhos foram vindo.  Um deles: Gaudi. Outro deles: Manoel de Barros. Outra: Adélia Prado. Outro: Antonio Candido. Outro: Anônimo. E mais, e mais... Eles não param de chegar com suas pedras,  martelos e penas. Poesia, romances, ensaios, catedrais, pontes, calçadas, passarelas... Nem sei mais o que fazer com eles e elas. Uma festa. Bacanal de velhinhos. Fantasia, produtora das mais sofisticadas. 

VELHICE

Olhando minhas fotos de várias décadas , vi que está na hora de ler VELHICE da Simone de Beauvoir. Demorou? Li esse livro quando jovem, mas não pudia entender, não pudia entender direito. A arrogância e potência da juventude não permitem compreender muita coisa. 

Me sinto moça, apesar da rápida e decepcionante derrocada do corpo. Minha moça ousadia ficou lendo madrugada o livro da juventude, MIL PLATÔS. Esse livro já foi difícil para mim, hoje o leio dando gargalhadas, e às vezes choro, com tanta beleza e sabedoria de Deleuze e Guattari. Toda vida é um processo de demolição...  

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Brincadeiras

Não gosto de brincar com o amor.
Adoro brincar no amor.
Já fui do biloquê.
Hoje estou mais bambolê.
Não me venha com esse papo
viciado de ponto G.
Minha gramática do tesão
vai do A ao Z.
Pego fogo no B dos beijos.
No M viro aquela florzinha bonita,
Maria sem Vergonha.
Ai meu Zeus.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Utopia Ativa

A utopia é um não lugar.
Já a Utopia Ativa é um projeto, um lugar.
E é luta, solidariedade, poesia, acolhimento, educação, ecologia...
E é sangue, suor, lágrimas, risadas compartilhadas...
E é também computador, tecnologia, blog, livros, música, aparelho de som, cine clube...
E é Deleuze, Guattari, Sartre, Paulo Freire, Foucault, Che Guevara, Lorca, Neruda e tantos mais...
E é real e é surrealismo.
E é mais, é trabalho, comidas, gastos, alguéns que pagam as contas...
E é sonhos, e é noites sem dormir, madrugadas chuvosas e enluaradas...
E a Utopia Ativa é rizoma na prática e na teoria, praxis revolucionária, finalidade do conhecimento.
E é por isso que o Jorge Bichuetti pode contar comigo pro que der e vier.
E eu sou apenas um E no meio de tantos E E E E E E E E E E....
E eu sou alguém que gosta de rock, jazz, samba, bolero e até de  iê-iê-iê.


“... o que os intelectuais descobriram recentemente é que as massas não necessitam deles para saber; elas sabem perfeitamente, claramente, muito melhor do que eles; e elas o dizem muito bem. Mas existe um sistema de poder que barra, proíbe, invalida esse discurso e esse saber. Poder que não se encontra somente nas instâncias superiores da censura, mas que penetra muito profundamente, muito sutilmente em toda a trama da sociedade. Os próprios intelectuais fazem parte deste sistema de poder, a idéia de que eles são agentes da “consciência” e do discurso também faz parte desse sistema...”. Michel Foucault

“Uma teoria é como uma caixa de ferramentas. Nada tem a ver com o significante… É preciso que sirva, é preciso que funcione. E não para si mesma. Se não há pessoas para utilizá-la, a começar pelo próprio teórico que deixa então de ser teórico, é que ela não vale nada ou que o momento ainda não chegou." Gilles Deleuze

Fonte das citações:
Os intelectuais e o poder - Conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze (trad. Roberto Machado)

Gostar

Jorge, Jorge Bichuetti, gosto de jiló, de melancia, de tanta coisa gostosa. Mas o que mais gosto mesmo não é de coisa, é de gente. Gosto gosto gosto muito mesmo d´ocê. E tenho aprendido, a duras penas, que a gente pode gostar mesmo não sendo gostada, sem contrapartidas, sem sacrifícios, sem cobranças, sem desesperos.  É gostar gostar gostar. Gostar de gente que gosta como ocê.

Osho e Nietzsche

Osho respeita o Nietzsche, considera-o em inúmeras de suas palestras. Mas há um texto dele sobre Nietzsche muito equivocado. Faz uma confusão danada entre Nietzsche e o nazismo e considera o mais importante livro de Nietzsche  o VONTADE DE POTÊNCIA. Tá aí a razão da confusão. Esse livro não foi publicado pelo Nietzsche. Foi editado pela irmã, aquela que doou a bengala de Nietzsche ao Hitler e foi casada com um nazista. Mas Nietzsche foi visceralmente contra o antisemistismo, sendo essa uma das razões do seu rompimento com Wagner. E Nietzsche foi contundente crítico do "espírito" alemão, que mais tarde, criaria Hitler e o nazismo. Morreu antes, bem antes,  de acontecer a tragédia que anunciou. E no Ecce Homo está bem claro a sua declaração de ser a irmã e a mãe os terrores da sua vida. Elas o protegeram? É,  "protegeram", daquele jeito horrível que as famílias, especialmente as mulheres,  costumam "proteger". Como diz o Roberto Freire (o psicanalista da somoterapia) diz: amor de mãe pode matar mais que bomba atômica. Que me perdoe a minha mãe, as mães, eu mesma que sou mãe. Mas é preciso saber ser mãe, é preciso saber proteger sem matar. E é preciso desmistificar esse papo de amor de mãe e amor de irmã.   

Deleuze, Nietzsche e o jiló

Dialogozinho inho inho
- Não gosto do Nietzsche. Detesto o Deleuze.
- É mesmo?  E o que foi que você leu deles?
- Não quero saber, não li, não vou ler, não gosto, detesto.
- Ah, sei. Será que posso dizer que você tem medo do desconhecido?
- Eu? De jeito nenhum, sou um cara destemido.
- Como é, então, que fala que detesta sem conhecer?
- É como jiló. Me falaram que é amargo, então nunca comi.
- Detesmido e tem medo de jiló? Pois eu adoro jiló, jilózinho, amargo, amarguinho,  que gostoso, gostosinho.

Palavras de ordem

Toda palavra é palavra de ordem, mas há a palavra que é contra a palavra de ordem: 
arte, invenção, fuga, subversão!!!
Se a arte, a invenção, a fuga e a subversão tornam-se palavras de ordem também, inventemos outras que sejam:
 arte, invenção, fuga, subversão!!!
O eterno retorno da diferença.

Código florestal

Presidenta Dilma, use seu poder e vete o abusado, destrutivo, FASCISTA Código Florestal aprovado pela Câmara dos Deputados. Os lobbies do agronegócio não podem passar sobre nós, sobre o povo da terra, sobre o povo sem terra, sobre a NOSSA TERRA.
Não passarão! 

A baita duma reiva que me dá essa sacanagem que a imprensa mardita faz com Heloisa Ramos

Não conheço Heloisa Ramos, nuca a ví, portanto, não estou defendendo uma amiga. Estou nos defendendo da mídia que ousa achincalhar uma pessoa com propósitos políticos. Para atingir o governo, colocam na fogueira (como a Inquisição fazia com as  "bruxas") uma pessoa, uma profissional e seu trabalho sério e criativo. A fogueira contemporânea é a edição. Editam as matérias de modo a queimar a pessoa e sua obra. E o rebanho vai atrás.
O livro de Heloisa Ramos, "Por uma vida melhor" é muito interessante, bem construído, com propósitos educacionais honestíssimos. Mas eu não vou escrever uma resenha sobre ele. Quem quiser que vá atrás, leia e confira o livro com o que a imprensa mardita vem falando e escrevendo (liderada, claro!, pela Veja e pela CBN, a mídia dos médios).  
As pessoas que reproduzem cegamente o que os jornalistas dizem desse livro, deveriam ter vergonha de formar opinião em cima de uma ou duas frases destacadas do livro destinado a  adultos excluídos por não saberem ler e escrever...  Eu que sei (mais ou menos) ler e escrever, gostei muito do livro, cheio de referências literárias e artísticas de primeira qualidade como Melville , Italo Calvino, Daniel Defoe, Goya... Entre eles, o genial Adoniran Barbosa com o "Nóis fumo" , cuja citação tem o claro propósito de mostrar a diferença entre a linguagem falada e a linguagem escrita. O livro  não ensina a escrever ou a falar "Nóis fumo, não encontremo ninguém". Por isso, eu fico com uma baita duma reiva não apenas da imprensa mas também da gente que repassa para frente a sacanagem.  "Estou só repassando". Sim estão só!!! repassando... Correntes da "fina arte" de caluniar. Ó vida de gado!  Para esses "abastecedores de exércitos", vai "O gênio das multidões", do Bukowski. Claro que eles vão dizer, "esse não vale, é doidão, cachaceiro, maconheiro, desavergonhado etc. etc. etc.".  Roteiro decorado pela mídia e pelos médios.